Quinha

Poesia

Textos

             
                         O TEMPO DO POET 


     
Quando os fios vencem a gravidade e faz dourar a manhã sonora e clara, na face da terra. As ondas deixadas nos lençóis atentam às horas. Os ponteiros do relógio não param, e a vida é um verdadeiro aprendizado do nosso próprio universo. Sua maneira de mexer com a vida de todos, é mutável, porque apresenta inúmeros e diferentes cenários. Aprender com o tempo, para os poetas, quando sofrem por amor, é o pior dos coquetéis que a vida adianta. Seria “Amor Fati”, amor de aceitar o não harmonioso, com perdas, desencontros e desilusões, que nesse mundo dispõem o destino. O poeta declama em versos a natureza e os astros, numa sintonia deslumbrante e harmoniosa, sem haver mudanças. Sua paixão pura é viver com uno amor inebriante. Acredita ele, o mundo é um castelo encantado e faz-se sonhar que habita em seu peito a criança, que vive a rir saltando bolinhas de sabão, na mais iluminada fantasia. Mas o mundo é uma praia onde as ondas apagam quase sempre as lembranças de crianças. O tempo tudo vence. Às vezes, caminha lento pela tristeza e se apressa nos momentos de alegria e felicidade, quando fazem abrigo. Por vezes parece não ter pressa diante de imagens vividas por saudades unida por afeto entre dois corações. O poeta sonhador, porventura, não é "Ulises" que deseja surfar em ondas altas, com cristas de luzes, entre curvas mais acentuadas, encantadas pelo canto das sereias. Prefere conservar aquele exato momento de união, como dois ponteiros amorosos de um velho relógio, que se encontraram no antigo fascínio. Ele quer, o amor constante, afastando-se desse mundo de incertezas, bem distante à beira de um remanso, entre beijos que cantam na boca da sua amada, com o choro da folhagem para se embriagar na indescritível emoção.
 

                     
QUINHASSILVA
Enviado por QUINHASSILVA em 11/06/2020
Alterado em 16/06/2020


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras