Quinha

Poesia

Textos


                                    EXCESSO AO CONSUMO

O mundo contemporâneo que vivemos impera incertezas. As novas tecnologias na comunicação incentiva a humanidade ao consumismo. E assim segue, com o mesmo padrão, as relações interpessoais. A crença de alcançar a felicidade no impulso de consumir é ilusória, com relação a todas as variantes, no mundo dos sentidos (dizia Platão). Bem dizendo, muitos trabalham arduamente com intuito de consumir cada vez mais. Observa-se o desinteresse por coisas sólidas, até mesmo, nas relações. A humanidade segue sem rumo. O valor da conquista não é feito para durar, ou seja, solidificar. É relevante como as pessoas mudam de ideia ou opinião de imediato. Tudo passa a ser efêmero. Isso acontece, devido a grande quantidade de oferta no mercado, cuja é contagiante. A palavra deixou de ter significado, deixou de ser questão ou de honra. A pós-modernidade (mundo liquido) entrementes, não ignora a ética, moral e virtudes, mas estas estão muito bem dissimuladas pela humanidade, devido o excesso de informações. Tudo citado acima, sobre o consumismo, gera males à alma do ser humano(dizia Friedrich Nietzsche). É de se averiguar um acréscimo de doenças de almas (psíquica) na humanidade, na qual se confunde com doença do corpo, basta constatar o aumento no consumo de drogas registradas nas drogarias e farmácias expandidas em âmbito nacional em nosso pais. Portanto, o mundo sólido e o mundo líquido, divergem-se. Foi nesse pensamento. O sociólogo e filósofo Polonês (Zygmunt Bauman) definiu o mundo atual cada vez mais líquido e veloz. Seja real ou virtual.


 
QUINHASSILVA
Enviado por QUINHASSILVA em 01/08/2019
Alterado em 06/08/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras